segunda-feira, 30 de julho de 2012

Ela Acreditava em Príncipes


Ela sonhava com príncipes, castelos e cavalos brancos. Acreditava que mesmo ouvindo que era um ‘pequeno monstro’ um dia alguém iria compreendê-la e a levaria para longe de tudo que lhe fazia mal.
O tempo foi passando e ela acreditou ter achado seu príncipe, não porque ele o compreendia, mas porque ele a fazia viajar... Porém mesmo conseguindo fugir de sua realidade, aquele relacionamento não era o que ela desejava, ele já não era romântico ou afetuoso...
Assim após mais uma briga, ela resolveu deixa-lo partir. Não que Branca não gostasse do seu primeiro amor, ela apenas sabia que separados talvez ele talvez pudesse ser feliz.
Sete longos meses se passaram, coisas ruins aconteceram e Branca começou a se sentir realmente sozinha. Sua procura por algo verdadeiro a estava matando, apesar dos casos que a acompanharam durante esses meses, em todos, aquilo de ‘amor’ e ’ verdadeiro’ não estavam presentes, e ela foi mudando aos poucos se tornando mais flexível as empreitadas da vida e menos amorosa ou mesmo depende de seus sentimentos.
Num belo dia de sol Branca resolveu se recompor de toda a dor, e solidão. Ela decidiu que sozinha poderia ser uma princesa bem melhor e foi viajar. Nessa viajem despretensiosa ela conheceu um garoto, ou melhor, um homem e sentiu uma vontade inexplicável de agrada-lo, porém sem truques. Ela o queria, mas somente se ele a quisesse como ela era, e naquela época de mulheres lindas e prontas para ser tudo o que um homem deseja, um pensamento como o dela era inútil e infantil.
Branca, já o tinha visto, logo que seu deixou seu primeiro amor partir. Contudo não o tinha reparado, só o via como um vilão, um garanhão e tudo o mais que diziam a respeito daquele lindo e interessante homem.
Outro dia raiou e tudo o que ela precisava era de um banho de mar, ele se prontificou a acompanha-la e isso foi o primeiro passo para seu grande e devastador amor.
Depois de um beijo, um abraço e poucas palavras, o dia terminou e logo que a noite chegou, ele gentilmente se mostrou um homem do século 21. Sexo era o que ele queria! E Branca, não sentiu medo ao se entregar para um ‘quase’ desconhecido. Mesmo sua experiência sendo pouca, mesmo que até o momento ela só tenha se entregado para aquele que acreditou ser um príncipe.. A noite chegou e ela se entregou.
Foi lindo! Devastador! Para ela, digo que até constrangedor... Mas acordar ao lado daquele homem parecia o paraíso, tudo o que ela sempre quis e nunca soube.
O amor pela primeira vez subiu a serra.. e com o tempo o vilão se tornou galã e príncipe. Branca se mostrou como era, e isso foi arriscado, todavia ele a adorou e nada pôde ser tão perfeito como o sorriso de seu príncipe ao dizer ‘Branca eu amo você’.
O tempo ainda passa, e Branca está feliz. A vida continua a mesma, e ela ainda chora com as coisas que a perturbam, porém quando não há para onde correr ele está lá. Um príncipe com defeitos, e com vontades. . Ele não a colocou num cavalo branco e fugiu, ele simplesmente ficou e mostrou como lutar, abriu os braços e disse que ela poderia vir e ficar quando precisasse de um ombro ou de alguém para desabafar. Ela o ama e sabe que um dia eles estarão juntos noite e dia. A vida passa e ela ainda é ‘um pequeno monstro’ porém, mais feliz, mais humana, mais família e mais, bem mais amada e valorizada.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se gostou & estiver com vontade; comente.