sábado, 18 de maio de 2013

Llorando




Olho pra frente e tento enxergar além de minhas lágrimas... Não consigo. Simplesmente nesse momento é impossível ver através de tudo que você fez ver além da dor que você me causou ou mesmo ver além do que tudo isso me causou.

Eu tento me levantar, tento parar de chorar, mas é tudo tão recente, parece até que acabou de acontecer.. Ou será que você me olha assim porque realmente esta vendo a ferida que acabou de abrir?

Eu confiei em você, na verdade, mesmo depois do que se sucedeu ainda confio, e justamente por isso não entendo essa vontade de me derrubar, mais e mais até não sobrar nada de mim.

Não quero feri-la, não quero que sofra, quero apenas que continue seguindo firme e forte como sempre fizemos nesses anos todos, quero vê-la subindo alta e aprendendo a voar, e se por acaso você cair, prometo do fundo de minha alma que estarei lá para resgata-la. Por isso não me olhe assim como se eu quisesse abandona-la, me ajude a levantar.

Por muito tempo eu realmente estava bem e seguia sorrindo, até saber o que você pensava, eu podia ouvir sua voz e isso me fez chorar... Chorar por seu amor!

Creio que no fim eu precisava acertar tudo, mesmo que agora eu só queria continuar chorando e chorando, sem saber o que fazer com todo esse ódio e rancor... Por favor, diga-me o que fazer?

Se precisar saiba que eu continuarei aqui te desejando tudo de melhor, eu continuarei aqui de todo meu coração... Chorando, por você, por seu respeito e por amor.

domingo, 12 de maio de 2013

Mãe


“Mãe”, que palavra estranha... Tão pequena, porém tão significativa. Ela sim é sinônimo de amor, pois ser mãe, mãe de verdade, de corpo e alma é ser amor.

Não apenas isso. Ser mãe não é um cargo simples: é ser amiga, companheira, cabeça aberta, dona de casa, médica, professora e em alguns casos é ser pai também.

Não acredito que viramos mãe quando um filho nasce, na verdade nascemos com isso (esse instinto materno) e quando se sente pela primeira vez aquele ser pequeno e indefeso dentro de nós, aquele depende de nosso amor e carinho esse instinto entra em ação, independente do sexo, independente do rosto, pois o que nos importa é esse ser existir e nada mais.

Esperamos dez meses para segurar esse ser no braço e tenho certeza que são os dez meses mais longos de nossa vida, porém tudo vale a pena quando o vemos; a dor do parto, a dor nas costas, o cansaço, o enjoo... Tudo vira passado e insignificante, quando enfim nos sentimos mãe, quando todos sabem que somos mães e quando podemos enfim abraçar e sentir esse ser em nossos braços.

Bom, depois de tudo isso creio que pensem que sou mãe... Mas não, sou apenas uma filha apaixonada, falando em nome de todos os filhos e filhas que amam sua mãe, sua heroína.