quarta-feira, 16 de abril de 2014

Um Fernando de Passagem




   

                                                                        
Eu fumava parada em frente ao meu café favorito quando o vi... Ele parecia tão forte e seguro de si que não havia como resistir. Tentei pensar em outra coisa, mas ao tentar desviar meu olhar,  um carro passou veloz por mim e desequilibrei-me, no instante seguinte braços fortes me puxaram para cima. Quando seus olhos azuis cruzaram os meus, perdi o fôlego.
Cinco minutos depois estávamos no café, pois ele insistiu em me pagar um chá... Ahhh, que homem! Chamava-se Fernando e enquanto eu decidia se ia ou não embora ele começou a contar-me sua vida (ele era do interior e sua estadia em São Paulo seria curta), foi nessa hora em que (NÃO SEI POR QUE) eu me prontifiquei a apresentar a cidade a ele.
Parece burrice (não, é burrice) uma mulher solteira e sem ninguém à quem recorrer caso algo desse errado, sair sozinha com alguém a quem ela mal conhece, porém naquela tarde de domingo Fernando era tudo que eu mais queria, até porque meu coração ainda estava partido por conta de meu velho amor, e como diz o velho ditado: apenas um novo amor cura um velho amor. Pois bem, trocamos telefones e combinamos de estar ali por volta das 10h no dia seguinte (assim poderia passar o dia apresentando para ele a cidade linda que temos).
Fomos primeiro ao Museu da América Latina, passeamos, conversamos, tomamos um café fresquinho e seguimos rumo a qualquer lugar, pois antes de chegarmos ao carro Fernando me puxou, me beijou e me fez esquecer tudo e todos. Ali éramos só nós, sem o mundo lá fora e de repente o roteiro do dia - que eu tinha feito na noite anterior- se tornou banal, o som foi aumentando, o calor também e quando vi já estávamos em um hotel perto algum lugar.
Foi magnífico, foi perfeito... O amor que fizemos foi mágico, porque ele fez questão de me beijar em todas as partes disponíveis e eu o acariciei com a mesma paixão. Quando o amor já não era suficiente, como dois selvagens, fizemos sexo ao som de Maroon 5 (na TV passava o show deles).
Nos quatro dias seguintes em que Fernando esteve em São Paulo nos amamos, fomos amantes, fomos amigos e de certa forma almas gêmeas. Mostrei São Paulo a ele e em troca recebi carinho, atenção e beijos com sabor de maçã(ele adorava balas). Contudo, ele teve que ir embora para a Inglaterra (faria um curso de 6 meses lá) e eu fiquei.
Não nos falamos nem uma vez sequer e assim meu amor por ele acabou junto com o verão. Uma ótima coisa para mim, já que no semestre seguinte ele voltou casado da Inglaterra. Bom, ele não havia me contado, mas namorava pela internet há 2 anos e foi buscar a noiva na Inglaterra... Creio que por isto ele fazia amor tão bem: sabia que seu tempo com outras estaria no fim e eu caí como uma luva naquelas mãos.
Bom para mim! Bom para ele! Apenas nos falamos mais tarde quando ele me ligou para dizer que estaria de volta com a esposa e trocaria o número do celular.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se gostou & estiver com vontade; comente.