sábado, 20 de setembro de 2014

Delírios de uma garota boa que morreu mulher má

Nessa tarde nebulosa eu conto os minutos gélidos esperando meu amor voltar, não sei direito o que fazer; se eu passar mal (o que sei que acontecerá), se chorar, se morrer.... ninguém virá me socorrer.
Eu fiz tudo por seu amor e agora mal consigo levantar, agora não posso ao menos te abraçar. Seu amor foi maldito e não há mais tempo para recomeçar. Gostaria de ter visto antes o brilho falacioso que esconde seu belo olhar. Você me seduziu, mas a culpa não é apenas tua; eu me deixei levar e me tornei de fato uma mulher má.
Senti-me livre, deixei amigos, vi sofrimento sem me abalar e vivi com você tudo aquilo de que pude aproveitar.... Carros, jóias, viagens. Ah! Que saudade que me dá!!
Agora não me resta nada, a não ser esse cigarro que, por enquanto, tenho forças para segurar.
Oh! Universo, leve-me logo! Já não posso respirar.
Todos os remédios que tomei fazem agora meu mundo girar, vejo sombras, respiro meu passado e o remorso faz-me pirar.
Já fui criança cheia de sonhos confessados ao luar. Também fui adolescente onde nada da certo mesmo quando dá. Tentei ser jovem dedicada e decidida, comecei a trabalhar, era garota inocente com muita garra para ganhar, tinha amigos, tinha tudo... até mulher apixonada eu me tornar. Com você vi outro mundo, vi um luxo sem igual me conquistar, fui mudando, me perdendo e 7 anos passaram até chegar o dia de você me deixar.
Com sua partida meu mundo desmoronou, tudo perdeu o sentido e a cor.
Morte, leve-me logo! Mate-me com sua linda foice! Preciso partir, não importa para onde, só não quero mais viver nesse mundo cruel que eu mesma construí.